Instituto “Entre o céu e a favela” é destaque com ações no Morro da Providência

A ONG fundada pela atriz Cintia Sant’anna comemora 10 anos

Criada em 2012 pela atriz Cintia Sant’anna, durante um curso de produção cultural oferecido pela Agência de Redes para Juventude, originalmente como uma versão de informativo impresso e com uma tiragem mensal de 250 exemplares, a ONG “Entre o céu e a favela”, localizada no Morro da Providência, hoje tem como principal objetivo potencializar o protagonismo de crianças, jovens e mulheres por meio de ações sócio culturais que promovam a inclusão e a transformação social.

“Sem patrocínio, o informativo deixou de ser produzido. Começamos a inserir atividades culturais dentro do Morro da Providência, como oficinas de teatro, perna de pau, contação de histórias, além de realizar eventos culturais dentro da favela, revivendo a cultura local e trazendo novos olhares para a mesma. Eu sempre achei muito importante a influência positiva que a arte pode proporcionar na vida de uma criança. Eu aos 20 anos, vi o grupo Tá na Rua no Largo da Carioca, e assisti todo o espetáculo. No fim, fui andando atrás do cortejo até a sede do grupo na Lapa; Na época tinha o ponto de cultura, e eu consegui entrar para fazer oficinas livres, depois de um ano entrei no grupo e lá fiquei durante oito anos. Foi o meu primeiro contato com a arte de forma direta, e um grande divisor de águas, pois foi com essa bagagem, que eu pude trazer cada vez mais de mim para o projeto. Em 2015, a ideia do informativo foi adaptada para uma plataforma digital. E foi inscrito no edital Favela Criativa que contemplava projetos já existentes dentro das comunidades e o projeto “Entre o Céu e a Favela” foi premiado. Em 2016, a verba do edital foi liberada, junto com a concepção do portal, também foi criado um coletivo com projetos atuantes no Morro da Providência e Morro do Pinto. No momento, ocupamos o espaço Epicentral dentro do Morro da Providência, onde realizamos encontros mensais, oficinas e atividades para crianças e para produtores locais” – explica Cintia, fundadora da ONG.

Em 2021, a ONG comemora dez anos de fundação, marcado por um momento de superação e união, com o enfrentamento da pandemia do COVID 19. Eles atenderam e ajudaram 3500 famílias, uma média de 14 mil pessoas. Além disso, a inserção no programa Gerando Falcões, fez com que Cintia se destacasse na frente do projeto. 

“Nós chegamos primeiro que o poder público dentro do território, nós conseguimos atender diretamente com cartão alimentação (enviados pela Gerando Falcões) 1750 famílias e 1000 cestas básicas, fora água, biscoitos, material de higiene, vale gás, kit para mães solteiras. É muita gente para o nosso tamanho, e com esse número já é possível ver a dimensão da importância e da necessidade das ongs dentro das favelas, porque nós trabalhamos na ponta e diante de uma pandemia fomos nós que conseguimos socorrer os moradores. Entregamos 14 mil máscaras, uma doação feita pela Amil, uma parceira e patrocinadora nossa desde 2019, através da lei de incentivo ISS. Conseguimos montar um gabinete de crise junto com outros projetos locais e fazer inserções para aferir pressão, colocar faixas, informar a população do quanto era perigoso não seguir as regras”, analisa a criadora da ONG.

Já no primeiro mês de 2021, a ONG promoveu as inscrições em cursos gratuitos de empreendedorismo, cultura e esportes. “Entre o Céu e a Favela” oferece cursos para as crianças, de 07 a 14 anos, como: basquete, percussão, futebol, teatro, perna de pau e educação ambiental. Já para os jovens acima de 15 anos, tem  cursos profissionalizantes de design de sobrancelhas, tranças, empreendedorismo e informática.

Além disso, “Pretinhas Leitoras”, “Bando Teatro Favela” e “Produção de Guerrilha” são três projetos produzidos pelo Entre o Céu e a Favela e estão entre os projetos nos quais o grupo ajuda na realização, todos engajando jovens e produtores culturais.

“Nos montamos um coletivo para que as pessoas pudessem estar juntas e se apoiarem, ficamos três anos investindo nisso dentro da Providência. Daí nasceu a parceria com o “Pretinhas Leitoras”, cujo ajudamos em toda formalização do projeto, captação de recurso e esse ano a realização do projeto em cinco favelas da cidade. O “Bando Teatro Favela” é o primeiro grupo de artes cênicas da Providência.  Montamos um espetáculo “Entre becos e vielas” que contava a história de quatro moradores antigos da comunidade. Depois surgiu uma versão infantil e montamos o “Sonho e a Providência”, um texto feito pelo ator e diretor Rodrigo Pinho,  especialmente para formato infantil. Eram oito crianças em cena, sozinhos contando essa história, esse é nosso xodó. O “Produção de Guerrilha” foi uma curso de produção direcionado para moradores de favelas, foi uma ideia em parceria com o Leandro Pedro, fundador da Ih Contei, ele também  é periférico e tem experiência em  produção, abrimos as vagas e tivemos mais de 30 inscritos, ficamos muito animados e fizemos o curso para 20 alunos, foi uma experiência incrível, porque quando você ensina é quando você mais aprende”, conclui Cintia.

Serviço:

ENDEREÇO: Ladeira do Faria – Gambôa, Rio de Janeiro – RJ, 20221-380, Brasil

Email: [email protected]

Tel.: (21) 98246-8673

https://www.entreoceueafavela.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *